domingo, 5 de maio de 2013

Lá vem o pato Vinícius de Moraes

Iniciei a aula com este vídeo, encontrado no you tube

video
Lemos o texto no cartaz, escrito em cartolina;

Identificamos a palavra chave PATO;

Identificamos as rimas;

Interpretamos a letra da  música;

Apresentei a família do P;


Identificar e copiar no caderno as palavras com a letra P;

 Fazerem  lista de objetos com a letra P;

Trabalhar versos, estrofes e rimas;

Todos deverão ilustrar o poema;

O professor assumirá o papel de escriba e escrever no quadro, com a ajuda dos alunos,  um texto narrativo sobre o pato;

Utilizar o poema  como quebra-cabeça   para que os alunos possam colocar os  versos e palavras na seqüência correta;

O poema xerocado em forma de  texto lacunado para ser preenchido com palavras que faltam, visualizando sempre o poema;

Realizamos as atividades abaixo, que foram retiradas do blog Varal de atividades














quarta-feira, 1 de maio de 2013

1º Aniversário do blog

Exatamente no dia 29 de abril de 2012 foi publicado o primeiro post aqui e por isso, a data ficou registrada como o 'nascimento' do blog. 

Como passou rápido! Ainda me lembro de uma certa ansiedade na hora de apertar o botão publicar. Depois, a dúvida se alguém ia ler que logo foi substituída pela alegria por cada visita e comentário recebidos. Após 41 artigos publicados,e cerca de 12.617 visitas e  a alegria permanece a mesma!



Especial também foi ter conhecido muita gente legal através do EDUCANDO E ENCANTANDO!!!. Conheci pessoas que escrevem blogs, que estudam e falam sobre EDUCAÇÃO, professores que assim como eu vivem em busca de coisas diferentes para levar para seus alunos, criar o diferencial para sua sala de aula.

Quero agradecer a você que acompanha e prestigia o blog. Muito obrigada também por compartilhar os artigos nas suas redes e por deixar comentários, sugestões e críticas.

E rumo ao segundo ano EDUCANDO E ENCANTANDO!!!

COMO SURGIU O DIA DAS MÃES



Mais antiga comemoração dos dias das mães é mitológica. Na Grécia antiga, a entrada da primavera era festejada em honra de Rhea, a Mãe dos Deuses.
O próximo registro está no início do século XVII, quando a Inglaterra começou a dedicar o quarto domingo da Quaresma às mães das operárias inglesas. Nesse dia, as trabalhadoras tinham folga para ficar em casa com as mães. Era chamado de "Mothering Day", fato que deu origem ao "mothering cake", um bolo para as mães que tornaria o dia ainda mais festivo.
Nos Estados Unidos, as primeiras sugestões em prol da criação de uma data para a celebração das mães foi dada em 1872 pela escritora Júlia Ward Howe, autora de "O Hino de Batalha da República".
Mas foi outra americana, Ana Jarvis, no Estado da Virgínia Ocidental, que iniciou a campanha para instituir o Dia das Mães. Em 1905 Ana, filha de pastores, perdeu sua mãe e entrou em grande depressão. Preocupadas com aquele sofrimento, algumas amigas tiveram a idéia de perpetuar a memória de sua mãe com uma festa. Ana quis que a festa fosse estendida a todas as mães, vivas ou mortas, com um dia em que todas as crianças se lembrassem e homenageassem suas mães. A idéia era fortalecer os laços familiares e o respeito pelos pais.
Durante três anos seguidos, Anna lutou para que fosse criado o Dia das Mães. A primeira celebração oficial aconteceu somente em 26 de abril de 1910, quando o governador de Virgínia Ocidental, William E. Glasscock, incorporou o Dia das Mães ao calendário de datas comemorativas daquele estado. Rapidamente, outros estados norte-americanos aderiram à comemoração.
Finalmente, em 1914, o então presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson (1913-1921), unificou a celebração em todos os estados, estabelecendo que o Dia Nacional das Mães deveria ser comemorado sempre no segundo domingo de maio. A sugestão foi da própria Anna Jarvis. Em breve tempo, mais de 40 países adotaram a data.
"Não criei o dia das mães para ter lucro"
O sonho foi realizado, mas, ironicamente, o Dia das Mães se tornou uma data triste para Anna Jarvis. A popularidade do feriado fez com que a data se tornasse uma dia lucrativo para os comerciantes, principalmente para os que vendiam cravos brancos, flor que simboliza a maternidade. "Não criei o dia as mães para ter lucro", disse furiosa a um repórter, em 1923. Nesta mesmo ano, ela entrou com um processo para cancelar o Dia das Mães, sem sucesso.
Anna passou praticamente toda a vida lutando para que as pessoas reconhecessem a importância das mães. Na maioria das ocasiões, utilizava o próprio dinheiro para levar a causa a diante. Dizia que as pessoas não agradecem freqüentemente o amor que recebem de suas mães. "O amor de uma mãe é diariamente novo", afirmou certa vez. Anna morreu em 1948, aos 84 anos. Recebeu cartões comemorativos vindos do mundo todos, por anos seguidos, mas nunca chegou a ser mãe.

Cravos: símbolo da maternidade
Durante a primeira missa das mães, Anna enviou 500 cravos brancos, escolhidos por ela, para a igreja de Grafton. Em um telegrama para a congregação, ela declarou que todos deveriam receber a flor. As mães, em memória do dia, deveriam ganhar dois cravos. Para Anna, a brancura do cravo simbolizava pureza, fidelidade, amor, caridade e beleza. Durante os anos, Anna enviou mais de 10 mil cravos para a igreja, com o mesmo propósito. Os cravos passaram, posteriormente, a ser comercializados.

No Brasil
O primeiro Dia das Mães brasileiro foi promovido pela Associação Cristã de Moços de Porto Alegre, no dia 12 de maio de 1918. Em 1932, o então presidente Getúlio Vargas oficializou a data no segundo domingo de maio. Em 1947, Dom Jaime de Barros Câmara, Cardeal-Arcebispo do Rio de Janeiro, determinou que essa data fizesse parte também no calendário oficial da Igreja Católica.


Texto compilado das seguintes fontes
- Pesquisa de Daniela Bertocchi Seawright para o site Terra,
http://www.terra.com.br/diadasmaes/odia.htm